EUA elogia Bolsonaro com relação à Cuba sobre Mais Médicos - Informe Notícias

EUA elogia Bolsonaro com relação à Cuba sobre Mais Médicos

A postura crítica do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), sobre o programa Mais Médicos rendeu elogios dos norte-americanos.


Presidente Jair Bolsonaro durante coletiva sobre 'Mais Médicos' de Cuba -16-11-2018 (Imagem: Reprodução/R7)
Presidente Jair Bolsonaro durante coletiva sobre 'Mais Médicos' de Cuba -16-11-2018 (Imagem: Reprodução/R7)

A norte-americana Kimberly Breier, secretária-assistente do Departamento de Estado, o órgão de diplomacia dos Estados Unidos, na noite de quinta-feira (15), elogiou a postura do presidente eleito Jarir Bolsonaro com relação ao programa "Mais Médicos" de Cuba.

"Que bom ver o presidente eleito Bolsonaro insistir que os médicos cubanos no Brasil recebam seu justo salário ao invés de deixar que Cuba leve a maior parte para os cofres do regime", escreveu Breier no Twitter, em publicações em inglês e espanhol.

Chefiando a área de Relações com o Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado norte-americano desde o mês passado, Breier fez carreira como especialista em América Latina. Entre 2005 e 2006, ela foi diretora de uma área chamada Brasil e Cone Sul do Conselho Nacional de Segurança na Casa Branca, durante a presidência de George W. Bush.

"Qué bueno ver al presidente electo Bolsonaro insistir en que los médicos cubanos en Brasil reciban su justo salario en lugar de dejar que Cuba se lleve la mayor parte para las arcas del régimen."

Nesta terça (14), Cuba comunicou a interrupção da cooperação técnica com a Opas (Organização Pan-Americana da Saúde) e pela qual seus médicos podiam trabalhar no programa brasileiro.

A decisão vai comprometer quase metade de todos os profissionais que atuam no Mais Médicos. Segundo dados do Ministério da Saúde, os cubanos preenchem 8.332 das 18.240 vagas do programa, o equivalente a mais de 45% do total de médicos. A pasta ainda informou que vai trabalhar para que essas vagas sejam preenchidas por médicos brasileiros.

Segundo nota do Ministério da Saúde Pública de Cuba, o motivo do rompimento foram as declarações do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), "fazendo referências diretas, depreciativas e ameaçadoras à presença de nossos médicos", além de "declarar e reiterar que modificará termos e condições do Programa Mais Médicos, com desrespeito à Organização Pan-Americana da Saúde e ao conveniado por ela com Cuba, ao pôr em dúvida a preparação de nossos médicos e condicionar sua permanência no programa a revalidação do título e ter como única via a contratação individual".

Em resposta no mesmo dia, durante o anúncio do novo ministro das Relações Exteriores, Bolsonaro afirmou que a decisão de Cuba de abandonar o programa Mais Médicos foi unilateral por parte do país caribenho e se deu porque Havana "não aceitou" as novas condições, como a permissão para que os profissionais trouxessem seus familiares para morar no Brasil. 


"É desumano você deixar esses profissionais aqui afastados de seus familiares. Tem muita senhora aqui que está desempenhando essa função de médica, e seus filhos menores estão em Cuba", declarou.

Outro fator, segundo o presidente eleito, afeta a questão trabalhista. "Em torno de 70% do salário desses médicos é confiscado para a ditadura cubana", afirmou.

Bolsonaro enumerou ainda o que chamou de "desrespeito com quem recebe o tratamento por parte desses cubanos". "Não temos qualquer comprovação que eles sejam realmente médicos e sejam aptos a desempenhar sua função", disse.

Bolsonaro ressaltou que não vai convidar os médicos cubanos a permanecer no país, mas disse que "o cubano que quiser pedir asilo aqui vai ter. "Não podemos continuar ameaçando como foram ameaçados no governo passado. Então por essas questões aí, a responsabilidade é deles."

Segundo o presidente eleito, o Brasil vai conseguir suprir a demanda depois da saída dos cubanos. "Nós estamos formando, não tenho certeza aqui, em torno de 20 mil médicos por ano. E a tendência é aumentar esse número. Nós podemos suprir esse programa com esses médicos. Agora, o programa não está suspenso. De outros países, podem vir para cá. E, a partir de janeiro, nós pretendemos, logicamente, dar uma satisfação a essas populações que serão desassistidas dessa forma."

Fonte: UOL