Rosa Weber pode ter decidido com seu voto a prisão imediata de Lula


Após o voto contrário de Rosa Weber ao pedido habeas corpus feito pela defesa do ex-presidente Lula, o clima de desânimo da militância petista que acompanhava o julgamento do Supremo Tribunal Federal nas dependências do Sindicato dos Metalúrgicos no ABC, ficou nítida e as pessoas começaram a deixar o prédio.

As esperanças de que o petista conseguiria um parecer favorável do STF estava focado principalmente na ministra, que até então era o único voto que ainda não estava totalmente definido antes do início do julgamento.



Com o voto de Rosa contrário ao HC, a situação do ex-presidente ficou mais delicada, pois dos 11 votos previstos, 5 já demonstraram previamente ser a favor do habeas corpus e os outros 5 contra, o que ficaria a cargo da ministra decidir, uma vez que ela era a única que não havia se posicionado contra ou a favor do HC.

Caso a votação termine com a maioria dos votos a favor da condenação de Lula, o Juiz Sérgio Moro ficará designado por expedir a mandado de prisão do ex-presidente, que poderá acontecer a qualquer momento após o término do julgamento. Lula deverá cumprir doze anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no referente ao caso do triplex do Guarujá, condenado pela Lava Jato.

Está prevista uma vigília petista em frente a residência de Lula nesta noite de quarta-feira (04), para evitar que manifestantes "anti-PT" ocupem a área externa da casa do petista para comemorar a suposta decisão negativa do habeas corpus que poderia livrar o ex-presidente da prisão.